ADEUS CHUPETA!

Neste post quero mostrar, que a importância da Odontologia vai além de “remover dor e tapar buracos”. A saúde começa pela boca. É lá que toda engrenagem do sistema digestivo humano começa a funcionar, bem como um simples sorriso, pode mudar completamente o dia de uma pessoa.
Ainda mais no caso da Odontopediatria, especialidade muitas vezes não tão valorizada quanto merece, pois muitos pais ainda acreditam que dentinhos de leite ou decíduos, como também são chamados, não merecem consideração. Crianças com dor e mordida incorreta, não mastigam direito e podem ter problemas sérios em seu estômago e intestino. Sem contar as dificuldades de socialização e fala nos primeiros anos escolares, os quais podem representar um trauma para toda vida.
Leia abaixo o texto emocionante de uma mãe que, preocupada com a dificuldade para remover a chupeta de sua filhinha, procurou a Dra. Paula Nunes para que a orientasse e ajudasse nessa verdadeira missão.
Dra. Paula é odontopediatra e utiliza os conceitos da Humanização em seu consultório. O resultado você pode conferir a seguir, no depoimento da mãe de Alicia.

img-20161104-wa0010
“Alicia sem chupeta

Conversei com muitas pessoas antes de iniciar o processo.
As dicas eram as mais variadas possíveis: cortar ou fazer um furo, trocar por algo com Papai Noel ou Coelhinho da Páscoa, enfim, inúmeras opções que deram certo com vários pais.
Mas eu sentia que nenhuma dessas alternativas seria a nossa solução.
Conversei, então, com a Dra. Beatriz (minha chefe e amiga pra todas as horas, a qual confio demais). Ela me esclareceu muitas dúvidas e me aconselhou que o melhor seria procurar ajuda com uma Odontopediatra.
Sentindo que o momento tinha chegado, conversei bastante com a Alicia. Disse que ela já era uma mocinha, não mais um bebê e que não precisava mais da chupeta. Falei, também, que a chupeta estava deixando seus dentinhos tortos e outras verdades fáceis dela entender. E o mais importante, informei a ela que ela não usaria mais a chupeta.
Assim, marcamos nossa consulta com a Dra. Paula, que me deu aula no curso técnico e me passou muita confiança em seu trabalho. Primeiramente, ela já nos reforçou um passo muito importante: usar a firmeza aliada ao amor nas atitudes.
Foi uma consulta que durou mais de uma hora, na qual nossa filha se sentiu encantada diante de todo carinho e atenção. Por vontade própria, ela entregou todas chupetas (com muitas trocas e segredinhos, claro).
E o papai? Ah, o papai era a parte mais difícil da história! Papai ainda a tinha como um bebê, então, Dra. Paula fez com que ele compreendesse o mal que aquele hábito estava causando para ela.
E, bem aos poucos, foi descruzando seus braços apreensivos e entendeu. Sem dúvidas, seu papel foi fundamental em todo processo. Ele foi ótimo! Nota 10 para o papai!

O PRIMEIRO DIA

Ela estava confiante e em nenhum momento pediu sua chupeta. Fomos fazer algo diferente a levando para passear, onde acontece a primeira cena: um menino do seu tamanho com uma chupeta, ela se deparou com ele e ali ficou olhando intensamente (me segurei pra não chorar). Saímos e tentamos distraí-la.
Chegando em casa, era a hora de dormir, nós sabíamos que, com toda certeza, esse seria o momento mais difícil.
Dra. Paula mandou mensagens de incentivo e muitos elogios para ela. Isso foi demais! Ela se sentiu confiante!
Durante a noite chorou, desesperadamente, umas sete vezes e adormeceu. Chorei baixinho, mas não podia desistir.

SEGUNDO DIA

Ela acordou e sua primeira frase foi: Mamãe, eu dormi sem bico! – com aquele sorriso encantador.
Ela sempre diz que é uma princesa e aqui em casa gostamos de sempre atribuir adjetivos a ela. Então, começamos: Filha, você cresceu! Você é uma princesa valente! Você vai conseguir!
E nada disso foi da boca pra fora, eu realmente achava que podíamos vencer aquilo.
Chegou o soninho da tarde e outra crise tomou conta, ela estava mais carente e sem paciência, chorava sem parar. Continuei firme em minha decisão, pois sabia que era para o bem dela. Depois de muito colo e cafuné, ela se acalmou em meus braços.
O dia passou e logo a segunda noite chegou, eu e o papai já estávamos com dúvidas se iríamos conseguir, mais uma noite, ver nossa filhinha chorar. Ela nos surpreendeu, ela chorou baixinho apenas uma vez e dormiu a noite inteira.

TERCEIRO DIA

Bom dia! Hoje tem escolinha! O sono estava tão profundo que nem queria acordar. Ela já não tocou mais no assunto, mas os elogios continuaram. Ela acordou diferente: tranquila e feliz!
Cheguei no meu serviço tão feliz que palavras não poderiam descrever!
Na hora de dormir, me pediu que chegasse bem pertinho e outra noite se foi… Sem choro, sem sofrimento!
Olhei ela dormindo um sono tranquilo. Minha menina tinha conseguido, tinha vencido o desafio. Nós vencemos juntos!

O que me deixou mais feliz em todo esse processo, além de termos conseguido retirar a chupeta, foi como tudo aconteceu de forma clara e consciente. Sem truques, sem histórias. Porque assim foi a forma como senti que daria certo para nós.
Ao meu ver, o fato de compreendermos que era uma mudança boa e necessária fez toda diferença. Em nenhum momento fiquei com pena dela, ficava triste por vê-la triste, mas apenas aceitei que seria difícil para ela e a acolhi com carinho.
Com certeza, foi uma das coisas que me deixaram mais contentes nessa minha vida de mãe até hoje! Mais um desafio vencido!

PARABÉNS, MINHA GUERREIRA!”

Aqui, Dra. Paula deixou sua dica de como conduziu o processo, de forma humanizada, transparente e com firmeza de propósito:
” Fizemos um combinado: após 1 semana sem chupeta ela vai ganhar um presente da “Tia Paula”, e também fiz a “troca afetiva” com ela.
Ela deixou a chupeta e eu emprestei um amiguinho pra ela dormir durante 1 semana”
, contou Paula Nunes em nosso grupo de estudos de Humanização na Odontologia.

São exemplos como esses que nos fortalece e nos incentiva a continuar acreditando em uma Odontologia de qualidade, humanizada, que aposta na prevenção, olhando o indivíduo como um todo, importando-se com a qualidade de vida do paciente, em todos os sentidos.

Parabéns Dra. Paula, Alicia e papai e mamãe da Alicia e espero que este post sirva de exemplo para muitas pessoas.

fotopaula

Dra. Paula Nunes das Neves (CRO/SC 14.301)

Possui Graduação em Enfermagem (2009) e Graduação em Odontologia (2015), pela Universidade do Sul de Santa Catarina – UNISUL (Tubarão/SC).
Pós-graduanda em Odontopediatria, pela Associação Brasileira de Odontologia (Florianópolis/SC).
Realiza atendimento odontológico para bebês, crianças, adolescentes e gestantes (Pré-natal Odontológico). Ministra cursos para gestantes e é Professora no Curso Técnico em Saúde Bucal (Escola Qualificar)

Um Grande Abraço,

Priscila Ferreira
Cirurgiã-dentista e
Idealizadora e professora do curso
de Odontologia Humanizada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *