Qual o seu limiar de felicidade?

IMG_20171102_122840529

Hoje assistindo a um vídeo de um americano listando 8 motivos do porquê prefere morar no Brasil, parei para refletir um pouco sobre isso.
Ele listou coisas tão simples como: o atendente da “padoca” que o recebe como um amigo, a simpatia e simplicidade das mulheres brasileiras, a variedade das comidas que até o deixa em dúvida do que escolher, enfim, coisas tão triviais que por muitos brasileiros passam despercebidos e para ele, tão valorizados. Em contrapartida, vemos brasileiros que sentem-se realmente felizes ao ter a chance de poder fazer umas comprinhas em Miami.
E o que tem de certo ou errado nisso?
Nada.
Rotular nos deixa limitados. O motivo da minha reflexão foi a de que quanto maior nosso limiar de felicidade, mais difícil de alcançá-la. Lembrei de uma frase do filósofo Grego, Epicuro que diz: “Nada é bastante ao homem para quem tudo é demasiado pouco.”
Há quem fique feliz ao ver uma árvore cheia de flores, porém para outro talvez a árvore seja apenas um acessório de contemplação. Feliz mesmo só ficaria se tivesse dentro do carro de seus sonhos passando em frente da mesma árvore. Questão de percepção. Trazendo para nossa profissão, a melhor forma de nos transformarmos em profissionais humanizados é olhando para dentro de nós mesmos, sem nos importarmos com os parâmetros impostos pelo coletivo, mas sim valorizando cada momento da nossa jornada até aqui, sendo grato por cada passo rumo a nossa evolução, buscando trabalhar do jeito e com aquilo que realmente nos faz feliz!
Um grande abraço e até a próxima
cropped-reduzida.jpg
Priscila Ferreira
Crosp 49272

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *