Como lidar com as frustrações

FB_IMG_1491900954724

Essa garota aí da foto, com jeitão desolado sou eu em um jogo de Vôlei pela Unesp-Araçatuba.
Quem tirou essa foto captou bem esse momento tão fatídico para mim e já explico o por quê.
E olha que fotografia no inicio da década de 90 era uma coisa muito, mais muito séria.
Muitos hoje nem imaginam o trabalhão que era. Tinha que fazer a pose bem direitinho, pois com certeza não tinha volta, como acontece hoje em dia. O filme era caro e a revelação mais ainda, então, cada momento a ser fotografado era muito precioso.
Mas voltemos à situação da foto e ao tema desse post.
Eu amava jogar Vôlei. Na verdade meu sonho era ser uma jogadora profissional e me dedicava muito aos treinos. Na verdade treinava o dia inteiro, até na mente, até sem bola, até de madrugada (sem exageros na minha narrativa) era o que eu amava fazer.
Porém, eu tinha um grande problema. Não sabia lidar com a frustração decorrente dos meus erros. Hoje entendo o quanto isso me prejudicou para que realmente tivesse me tornado uma jogadora profissional e realizado o meu sonho.
Simplesmente eu não me permitia errar e quando, é claro, eu errava, um misto de raiva, vergonha, impotência, cobrança e tantas outras emoções nocivas me invadiam e eu já nem sabia o que estava mais fazendo ali.
Perdia o rumo e já não conseguia mais contribuir com a equipe.

O meu treinador nessa época, foi quem tirou essa foto, e ele, apesar de exigente, não tinha a menor participação nesse “show de horror” que se desencadeava dentro de mim.
Na vida, se quisermos realmente realizar nossos sonhos, temos que aprender a lidar com esses pequenos fracassos, senão, assim como no meu caso e o Jogo de Vôlei, o que poderia ter sido apenas um ponto perdido, tornou-se Game Over para mim.
Se estamos indo para uma festa, onde queremos muito estar e se erramos o caminho, não é por causa disso que vamos abortar a ideia de ir até lá.
Ao contrário, ligamos o GPS, perguntamos para alguém na rua, mas a vontade de ir é tanta que acabamos chegando de qualquer jeito.
Só desistimos em duas situações: Se a vontade não for tanta assim, ou se o orgulho, ou a vergonha de perguntar para alguém for mais forte do que nós mesmos.
Resumindo tudo isso, quem deseja realizar algo na vida tem que, em primeiro lugar, aprender a lidar com os próprios erros e frustrações, diminuir o barulho interno da mente, a auto cobrança de perfeição do inerrante, infalível Ser que existe dentro cada um nós, também chamado de Ego. Em segundo, ter humildade e uma boa dose de ousadia para ouvir informações de pessoas que sabem o caminho ou pelo menos parte dele, para que consiga chegar até lá. E em terceiro e não menos importante, ter Vontade, saber onde quer chegar e tudo que vai encontrar ao chegar lá. Analisar os prós e os contras, colocar na balança, para ver se vale a pena gastar sua energia e seu tempo com esse sonho.
E mesmo se assim, o erro foi feio, o tombo foi grande, não esquenta não. Lembre-se daquela música famosa do Paulo Vanzolini ” Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima”